Kintsugi | 

Instalação constituída de pedaços de um telha quebrada cujas bordas estão pintadas com tinta da cor dourada.

Numa tarde de trabalho no ateliê de escultura da Universidade de Brasília me resguardava de uma chuva forte, um raio atingiu uma arvore dividindo-a em duas partes. Uma das partes da árvore caiu no edifício em que eu trabalhava minutos antes. Desastre. Houve uma nefasta sensação de fragilidade, de estar a mercê da tempestade, ventos, arquitetura rompida, deformada, vulnerável. Vigas, cacos, pedaços de concreto, um grande fenda no telhado, a água da chuva invadia o interior da sala e escorria pelo piso junto aos destroços.

Após o evento, voltei ao ateliê durante sua reforma; recolhi e guardei os restos do telhado durante um ano, sujos de pó e folhas secas. Kintsugi ( nome da antiga técnica japonesa para reconstituir louças quebradas usando pó de ouro) é uma tentativa de propor outras relações de proteção e cuidado com aquela estrutura que me guardava dos ventos e sol forte. Para além do afeto com essas peças, a montagem do trabalho tenciona configurar outras modulações desses elementos entre si e com o espaço expositivo.

https://youtu.be/JwLGhypM574